Ser Lesado

Curiosidade e Informação sobre Lesão Medular

Tetraplégico, Sam Schmidt volta a guiar carro em Indianápolis 17 anos após acidente. Como? Com a cabeça e a boca

Posted by on mar 11, 2017

Tão logo terminou o último treino livre antes da definição do grid de largada em Indianápolis, um momento marcante aconteceu em Indianápolis neste domingo (22). Sam Schmidt, chefe da equipe que leva seu nome e que aparece ao lado do nome de James Hinchcliffe como o mais rápido da primeira parte da classificação de ontem, foi à pista com um carro.

O fato seria naturalmente comum não fosse o fato de Schmidt ser tetraplégico. E o dirigente estava no comando do modelo.

Literalmente, Schmidt usou a cabeça e a boca para controlar o Corvette adaptado e seguiu o esquema do formato de classificação de Indianápolis, completando quatro voltas para formar seu tempo. A velocidade máxima em reta foi de 138 mph — cerca de 222 km/h — e a média foi registrada em 108.642 mph — exatos 174.804 km/h.

Sem qualquer treino anterior ou necessidade de fazer voltas rápidas, esta média obtida por Schmidt lhe serviria para ser pole de todas as edições das 500 Milhas entre 1911 e 1924.

“Eu tive uma força mental muito maior do que antes”, brincou Schmidt assim que chegou aos pits. “Eu jamais pensei que teria um momento como esse quase 17 anos depois do meu acidente”, completou, sendo ovacionado por fãs e os demais pilotos

Schmidt, 51, teve uma breve carreira na IRL. Foram três temporadas completas e apenas uma vitória, em Las Vegas, entre 1997 e 1999. Na preparação para o campeonato de 2000, sofreu um gravíssimo acidente no oval do Walt Disney World. Ficou entre a vida e a morte, respirando por aparelhos por mais de um mês. Consciente de que não voltaria a correr, usou Frank Williams como inspiração e decidiu se tornar chefe de equipe.

A Schmidt surgiu em 2001 na Indy Lights. Três anos depois, com o brasileiro Thiago Medeiros, conseguiu o título da categoria de base, repetindo o feito com Jay Howard em 2006 e Alex Lloyd em 2007. Em 2011, veio o passo maior: a ascensão à Indy por meio da compra do espólio da equipe Fazzt. Naquela temporada, seu melhor momento foi a pole de Alex Tagliani aqui em Indianápolis.

Schmidt acompanha com ansiedade a definição do grid das 500 Milhas deste ano. Além de Hinchcliffe — mais rápido ontem —, seu outro piloto regular, Mikhail Aleshin, está entre os nove que vão disputar a pole da edição histórica. O terceiro carro é guiado pelo veterano catalão Oriol Servià.

Ao lado do companheiro de equipe russo Mikhail Aleshin, Hinchcliffe estará na disputa pela pole-position das 500 Milhas de Indianápolis neste domingo. A dupla vai tentar superar Simon Pagenaud, Helio Castroneves, Will Power, Josef Newgarden, Carlos Muñoz, Ryan Hunter-Reay e Townsend Bell.

Fonte: grandepremio.uol.com.br

Deixe uma resposta

468 ad