Ser Lesado

Curiosidade e Informação sobre Lesão Medular

Mergulho, celular e má postura podem levar a trauma medular

Posted by on set 18, 2017

Com o slogan “Use a cabeça, proteja o seu corpo”, a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, em comemoração aos seus 60 anos de fundação, lançou uma campanha de responsabilidade social para prevenção de traumas neurológicos.

 

Os principais temas, divulgados nas principais capitais do país, alertam sobre o perigo de mergulhar em águas rasas, usar o celular enquanto dirige e lombalgia (má postura).

 

O neurocirurgião Giovani Mendes, responsável pelas delegações das ações em Mato Grosso, explicou que o objetivo é prevenir os traumas medulares resultados de acidentes do cotidiano, como a falta de cuidado em mergulhos ou má postura no dia a dia.

 

Cerca de 50 colaboradores, residentes, acadêmicos e médicos participaram da campanha, com ações socioeducativas em escolas. Além disso, os colaboradores foram ao Parque das Águas e Tia Nair conversar e tirar dúvidas da população.

 

“Estamos trabalhando justamente com essa questão da responsabilidade social, e justamente com o objetivo de orientar a população, trazer a neurocirurgia para próximo da população”, comenta o médico.

 

Mergulho em águas rasas

 

Um simples “pulo” em uma água pode levar a um grave acidente. De acordo com Giovani, em razão da presença do calor ao longo de todo ano no Centro-Oeste, muitas pessoas acabam vítimas de um trauma medular após mergulharem em rios, cachoeiras, lagos ou piscinas.

 

A pessoa mergulha de ponta e não tem a profundidade que imagina, e acaba batendo a cabeça e fraturando o pescoço

“Às vezes, a pessoa vai fazer mergulho em um rio, que até já é conhecido, mas, por exemplo, com a última estação de chuva, trouxe um banco de areia ou uma árvore, que está submersa. A pessoa não vê, acha que já conhece e mergulha. Agora quando não conhece aquele rio, mergulha de ponta e não tem a profundidade que ele imagina, e acaba batendo a cabeça e fraturando o pescoço. E fraturando o pescoço, leva a uma lesão medular, e essa lesão traz déficits neurológicos, como parar de mexer as pernas, braços e até respirar”, explicou.

 

Ainda segundo o médico, existe um grupo de risco nestes incidentes, que são homens jovens, com idade de 18 a 30 anos. Grande parte desses casos é ainda relacionado ao uso de bebidas alcoólicas.

 

“Existe um grupo de risco e infelizmente são homens jovens em sua fase mais produtiva. São homens na faixa etária dos 25 anos, em sua fase de produção. Então você imagina, um homem de 25 anos, tem uma fratura cervical, como fica o futuro? Imagina um pai de família, com 30 anos de idade e tem dois filhos, um de três e outro de cinco?”.

 

“A criança tem uma frouxidão ligamentar, ela não fratura tão facilmente. É muito raro [fratura medular] em criança e no idoso, é mais comum dos 18 aos 30 anos. Outra coisa, é que o acidente é muito frequentemente associado ao uso de álcool, principalmente mergulho em água rasa. Você vai para a cachoeira, ‘toma umas’, fica mais animado… E acontece”, comentou.

 

Celular e direção

 

O que custa responder uma mensagem “rapidinho” no meio do trânsito? Além de R$ 293,47 e sete pontos na carteira, pode custar sua saúde e a de outras pessoas. O neurocirurgião chamou a atenção para as consequências que uma distração pode trazer, como atropelamentos e colisões.

 

Giovani explica que uma distração pode levar a um grave acidente

“Hoje, o índice de acidente de trânsito causado pelo uso de telefone celular é maior que o índice de acidente causado por uso de bebida alcoólica. Um exemplo, se você está a 60 km/h e vai responder uma mensagem ou simplesmente olhar o celular, por questão de 2 ou 3 segundos. Um carro a 60 km/h na Miguel Sutil percorre 35 metros, e nesses 35 metros, o que pode acontecer? O carro da frente para, o ciclista aparece, um animal, uma criança ou uma curva que você vai fazer e você estava digitando, distraído”, reforçou.

 

Má postura

 

A lombalgia não é uma realidade exclusiva de idosos, pois pode atingir todas as idades, sexo e classes. O mau uso da postura ao longo dos anos pode levar a consequências severas futuramente. “A partir do momento que você tem um problema de má postura, principalmente o jovem, ele vai crescendo e sua coluna tentando corrigir, e isso vai levando a alterações degenerativas”, disse.

 

Qualquer trabalhador, seja dentro de casa ou no escritório, também está sujeito a sofrer dores na coluna com o passar do tempo se não corrigir a postura, conforme o profissional.

 

“Uma dona de casa, que vai passar um pano e fica muito encurvada, carrega um balde muito cheio. Um motorista que na hora de dirigir fica sentado encurvado, na hora que você vai na academia e não põe sua postura correta… Isso traz consequências. Imagina isso todos os dias, vai causando desgastes na sua coluna, que te leva a dores lombares, que no futuro tem suas consequências. O que mais tira a pessoa do trabalho, hoje, são doenças da coluna”.

 

Dicas

 

O neurocirurgião dá orientações sobre como aproveitar uma tarde de banho de rio sem acidentes, além de como começar a corrigir a postura.

 

“Em relação ao mergulho em águas rasas, é o seguinte: se você não conhece o local onde você vai entrar, primeiro faça uma investigação da profundidade, se há um banco de areia ou um tronco. E nunca, é importante ressaltar, pular de ponta, e sim, depois que você já conheça o local, entrar de pé”.

Não mergulhar de ponta; colocar o celular no silencioso e corrigir postua

 

“Sobre o celular, isso ai é bem fatídico: se acostumar a não usá-lo enquanto estiver dirigindo. Colocar no silencioso durante o período que você estiver dirigindo, para não cair na tentação”.

 

“A má postura pode começar a ser corrigida agora. Tentar corrigir sua postura em qualquer atividade que estiver fazendo, seja durante o trabalho, atividade física ou lazer. Preservar a postura correta ergonômica da coluna, inclusive na hora de dormir. E se tiver dúvida, procurar a orientação de um profissional, sela um fisioterapeuta, profissional da educação física ou um médico”, esclarece.

 

Caso presencie uma vítima de trauma raquimedular, o médico orienta ainda deixar que o socorro faça a imobilização do paciente. Se estiver longe de ajuda, tentar mexer o menos possível na vítima, imobilizando-a.

Fonte: MidiaNews

Deixe uma resposta