Ser Lesado

Curiosidade e Informação sobre Lesão Medular

Empresário que ficou tetraplégico em parque há 1 ano quer indenização

Posted by on set 16, 2016

Há um ano, a vida de Carlos Alberto Magon, de 50 anos, mudou drasticamente. Em 21 de julho de 2015, durante o primeiro dia de férias, o empresário sofreu um acidente em um brinquedo no parque aquático Thermas dos Laranjais, em Olímpia, no interior de São Paulo. Na queda, ele quebrou duas vértebras e ficou tetraplégico. A família espera entrar com ação indenizatória contra o parque ainda nesta quinta-feira (21).

Na época do acidente, a direção do Thermas dos Laranjais disse que prestou toda a assistência à vítima (assista abaixo a reportagem sobre o caso feita pelo Fantástico no ano passado). O G1 procurou o estabelecimento na quarta-feira (20), mas até a publicação dessa reportagem não teve resposta.
Carlos ficou tetraplégico após cair de um brinquedo chamado “bolha gigante”. Segundo seu cunhado Fábio Henrique Machado, uma pessoa pulou perto do empresário e ele caiu da bolha. Com a queda, as vértebras C4 e C5, que ficam perto da nuca, foram lesionadas.
Uma das filhas, de 15 anos, viu que o pai não conseguia se mexer e, por isso, começou a se afogar. “Ela não conseguiu tirá-lo da água e dois banhistas ajudaram. O médico informou que isso prejudicou. Ele já deveria ter saído da água numa prancha de resgate”, disse a mulher do empresário, Solange Cristina Machado Magon, de 43 anos.

 

O empresário foi socorrido e levado pelos funcionários do parque aquático até a Unidade de Pronto Atendimento de Olímpia. Em seguida, ele foi encaminhado para a Santa Casa local e logo transferido ao Hospital Austa, em São José do Rio Preto.

No hospital foi constatada a tetraplegia. Ele ficou 50 dias internado lá. No período, sofreu três paradas cardíacas e teve de passar por uma traqueostomia. O procedimento deixou Carlos com dificuldades para falar.

Atração 'bolha gigante' tem quatro metros de altura (Foto: Divulgação / Site oficial)Atração ‘bolha gigante’ tem quatro metros de altura (Foto: Divulgação / Site oficial)

Adaptações
Após melhorar, foi levado para sua casa, em um bairro de classe média alta de São Bernardo do Campo, no ABC. Algumas reformas foram feitas, como a instalação de rampas para facilitar a locomoção. “Ele está na sala ainda, porque precisa de um elevador. Não é a casa inteira que está adaptada, não temos condições de fazer isso ainda”, afirmou Solange. Ela acrescentou que dorme em um sofá, ao lado da cama do marido.

Segundo a família, a direção do parque pagou, durante sete meses, os gastos de serviço “home care”, que é o atendimento feito por profissionais da saúde em casa. Para conseguir este atendimento, a família entrou com pedido de liminar.

Carlos tem uma enfermeira 24 horas e precisa da ajuda de mais uma pessoa. “O cuidado com ele exige sempre duas pessoas. Como eu já tive problemas com quem deveria cuidar dele, nós todas aprendemos um pouquinho de tudo.”

Desde o acidente, as filhas, esposa e enfermeiras são responsáveis por cuidar do empresário (Foto: Marcelo Brandt/G1)Desde o acidente, as filhas, esposa e enfermeiras são responsáveis por cuidar do empresário (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Gastos
Os gastos com fisioterapeutas, cadeira de rodas, reformas na casa, medicamentos, equipamentos médicos e psicólogos para Carlos e suas quatro filhas são pagos pela família da vítima. Para isso, as filhas (com idades que variam de 8 a 23 anos) tiveram de mudar para escolas mais baratas e próximas à casa onde moram.

Natalia Magon, filha mais velha do casal, conta que o pai costumava ser participativo e alegre. “Meu pai sempre foi muito presente. A gente sempre tomou café juntos e hoje não temos essa possibilidade. Hoje, nós comemos no sofá para ter a presença dele. Para ele estar por perto.” Carlos não fala sobre o acidente. “A gente pergunta, ele não responde. A gente não sabe o que se passa na cabeça dele”, lamenta Solange.

A família instalou rampas de acessibilidade para receber Carlos (Foto: Marcelo Brandt/G1)A família instalou rampas de acessibilidade para receber Carlos (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Defesa
Eduardo Lemos Barbosa, advogado da família, afirma que, ao longo deste ano, foram feitas reuniões com o parque em busca de um acordo. Agora ele afirma que vai entrar com ação indenizatória por danos morais, danos materiais e danos estéticos.

“O dano material, por exemplo, é uma equação matemática. O salário dele deve ser mantido. Mostramos quanto ele ganha, comprovado pelo imposto de renda. Isso são números que devem ser repostos”, afirma o advogado.

Um ano após o acidente, Solange não acredita que a medicina possa ajudar o marido. “Eu creio que a minha fé vai tirar ele daí, é nisso que eu acredito. Eu acredito em Deus. Na medicina eu não acredito.”

Fonte: G1

Deixe uma resposta

468 ad