Ser Lesado

Curiosidade e Informação sobre Lesão Medular

A importância da fisioterapia na reabilitação neurofuncional do lesado medular

Posted by on dez 24, 2016

A Fisioterapia Neurofuncional estuda, diagnostica, previne e trata os distúrbios da biomecânica e funcionalidade humana decorrentes de alterações do sistema nervoso. A fisioterapia dos pacientes acometidos por uma lesão raquimedular vem, nos últimos anos, acompanhando mudanças de paradigmas relacionados ao processo de reabilitação. Essas mudanças são função das melhores evidências científicas para o entendimento e condução das intervenções terapêuticas. Entende-se que a fisioterapia não se restringe apenas a uma intervenção isolada, mas que é parte de um processo que envolve: um conjunto de ações de uma equipe multiprofissional; o comprometimento do paciente em seu programa terapêutico; o envolvimento e a dinâmica familiar; a existência de adaptações e da acessibilidade. Tal processo objetiva não somente a busca pela prevenção, mas também a melhora da qualidade de vida e da independência funcional.

A lesão medular aguda (LMA), na maioria das vezes, está relacionada ao trauma, 45% acidentes de trânsito, 20% quedas, 15% traumas esportivos, 15% atos de violência e 5% miscelânea, que pode ser representada por uma doença degenerativa da coluna vertebral, isquemia das artérias medulares, inflamação medular, uma neoplasia rapidamente expansiva, uma massa piogênica. O trauma raquimedular agudo, em estatísticas americanas, tem uma incidência anual de 28 a 55 casos novos por milhão de habitantes. A média das idades é de 32 anos, a relação entre homens e mulheres é de 4/1. O nível neurológico da LMA é cervical em 55% dos casos, torácico (T1-T11) em 15%, toracolombar ( T11-T12 e L1-L2) em 15% e lombossacral (L2-S5) em 15%.

Aproximadamente 50% das vítimas de LMA apresentam um acometimento sensitivo e motor completo abaixo do nível da lesão e menos de 5% desses pacientes irão recuperar a capacidade para a marcha. Já aqueles pacientes que no início do seu tratamento fisioterapêutico apresentam até mesmo um pequeno movimento voluntário abaixo do nível da lesão têm uma chance maior do que 60% para voltar a andar. Os pacientes que possuem pelo menos 4% a 10% dos axônios intactos em nível de T4 podem realizar um movimento contra a gravidade, mas não contra a resistência. O movimento voluntário dos pés está associado com apenas 3.000 fibras neuronais das 41.000 do trato corticoespinhal. Em estudos experimentais com macacos, quando são poupados mais de 25% da substância branca lateral ou ventral da medula, a capacidade para a locomoção é preservada.

Os principais objetivos do programa terapêutico, na fase de reabilitação, são:

• Aumentar a força muscular.

• Incrementar a resistência ao esforço físico.

• Manter e/ou aumentar a amplitude de movimento.

 • Reduzir a espasticidade.

• Estimular vias sensoriais.

• Melhorar a percepção do novo centro de gravidade.

• Promover a estabilidade postural.

• Facilitar o equilíbrio dinâmico.

• Favorecer o conhecimento da nova linguagem do corpo.

 • Explorar as potencialidades de cada indivíduo.

• Prevenir deformidades e complicações secundárias.

 • Propiciar a oportunidade de desenvolver os padrões funcionais de movimentos e conquistar maior autonomia.

Deve-se lembrar, por fim, que não há uma forma única de se movimentar. O que se pode fazer é estimular o corpo a encontrar formas de reconstruir os movimentos funcionais com o controle e musculatura remanescentes. O aprendizado de habilidades será resultado de como o corpo conseguiu responder a situações desafiadoras de movimento, e cabe ao fisioterapeuta estipular objetivos que estimulem esses desafios.

Fisioterapeuta: Bruna de Carvalho                                       CREFITO/PI: 187

Fonte: http://www.portaltribunadonorte.com/

2 Comments

  1. Sou lesado medular T6 a L1 fis muita fisio e agora parei, so faço alguns exercicios em casa e nado, porque vai fazer 7 anos e nada de recuperar, as pessoas que estão no face tambem não recuperaram, apenas aquelas que foi leve e moderada.

    • Muito obrigado, seu comentário é importante para nós!

Deixe uma resposta