Ser Lesado

Curiosidade e Informação sobre Lesão Medular

Estudo publicado descreve o desenvolvimento de uma nova droga que pode facilitar a regeneração da medula espinal

Posted by on jan 18, 2015

Estudo publicado essa semana na revista Nature descreve o desenvolvimento e teste de uma droga que pode facilitar a regeneração da medula espinal.

Contextualização

Após uma lesão medular, um dos principais fatores que dificulta a regeneração neuronal é a formação de cicatriz glial (tecido conjuntivo nervoso) no local da lesão, bloqueando o crescimento de axônios (segmento do neurônio responsável pela condução de impulsos nervosos). Processos esses, mediados por diversos compostos químicos.
Nesse contexto, o estudo de mecanismos que bloqueiem ou dificultem a ação dessas substâncias, parece promissor para favorecer a neuroplasticidade.

Ação do Medicamento
O medicamento (ISP) desenvolvido pelo grupo de pesquisadores americanos, age dificultando a ação de substâncias conhecidas como Proteoglicanos de sulfato de Condroitina derivados de células gliais (CSPGs), que combinada a outros fatores dificulta o crescimento e regeneração das células nervosas através do local da lesão. Portanto, ao dificultar a ação dos CSPGs o novo medicamento facilita o processo de neuroplasticidade.

Protocolo de produção de lesão
O experimento foi conduzido com ratos submetidos a procedimento cirúrgico para produzir uma lesão incompleta no segmento da medula espinal correspondente a vértebra T8.

Protocolo de tratamento farmacológico
Os animais lesionados receberam uma dose do medicamento 24 horas após a lesão e todos os dias pela manhã, ao longo de 50 dias, por meio de aplicação subcutânea (injeção).

Resultados
Em comparação com o grupo controle (animais submetidos a lesão mas sem tratamento posterior), o tratamento resultou em restauração significativa da inervação serotonérgica para a medula espinal abaixo do nível da lesão facilitando a recuperação funcional dos sistemas locomotor e urinário, com aquisição mais rápida de padrões de marcha eficiente, e melhor controle da bexiga.Com 21 dos 26 ratos mostrando algum grau de recuperação na capacidade de movimentos ou das funções da bexiga.

Considerações para tratamento
O tratamento descrito foi proposto para casos de lesão medular aguda, com início das aplicações 24 horas após a ocorrência da lesão, e se estendendo por sete semanas após a mesma.
Os resultados obtidos são promissores em relação ao tratamento imediato de lesões na medula espinal, primeiras horas ou semanas após a lesão. No entanto, ainda não há fundamentação científica para utilização desse procedimento em casos de lesões crônicas e os estudos devem ser ampliados e realizados em animais maiores antes do início dos testes com humanos.

Artigo original:
LANG, B.T. et al; Modulation of the proteoglycan receptor PTPs promotes recovery after spinal cord injury. Nature, doi:10.1038/nature13974.

Fonte: www.acreditando.com.br

Deixe uma resposta

468 ad